Histórico

O Povoado Jatobá surgiu por volta de 1932 com a chegada do Sr. Honorato José Fontes e de seus familiares que fugiam das grandes secas do nordeste, mais precisamente do estado do Ceará. No entanto bem antes desses primeiros habitantes sempre andava por aqui, cultivando roça e caçando, o Sr. Antonio Pirrixiu, morador do Povoado Marajá, um dos Povoados mais promissores da região na época. O Sr. Antonio sempre plantava suas roças de arroz e milho no que é hoje a cidade de Jatobá, dizia ele, e a natureza confirmava, que esta terra era boa para se plantar de tudo, além de possuir uma rica fauna que não deixava caçador nenhum desanimar.

O Sr. Honorato, desanimado com a situação do Estado do Ceará resolveu procurar uma terra melhor para criar seus filhos, e foi aqui, em Jatobá, que ele encontrou a dádiva de Deus: terras férteis, muita caça e a esperança brotando em seu coração, com a certeza de que não passaria mais as privações de outrora.

Outras famílias, por ouvirem dizer que havia-se descoberto um lugar de muita fartura, resolveram também mudar-se para Jatobá, ou para o Japão, como também era conhecido Jatobá. Dentre as principais que se fixaram aqui destacam-se a família Sabino e a família Tote, que desbravaram essas terras em busca de dias melhores e de uma nova vida.

O nome Jatobá deve-se a existência, nesta região, de uma árvore da categoria das leguminosas, cujos frutos são apreciados por animais silvestres e por seres humanos. Havia, no entanto, uma dessas árvores nesta região, era uma árvore muito grande e servia para que os caçadores descansassem à sua sombra no intuito de recobrar suas forças para voltar para casa. Quando muitas pessoas perguntavam aos trabalhadores e aos caçadores aonde eles iam, eles diziam: “Vou pro Jatobá”. Daí passaram a chamar este novo povoado de Jatobá.

Muitos moradores dizem que o acesso até a cidade de Colinas, Município Mãe, era muito difícil – A viagem demorava oitos horas. Quando era na época de chuva o transtorno de quem fazia o percurso era ainda maior. Porém com a ascensão da cidade de Colinas e das cidades circunvizinhas surgiram as primeiras estradas e a labuta desse povo foi sendo amenizada. Construíram-se em seguida açudes, perfuram-se poços artesianos e caçimbões e a vida foi se tornado mais cômoda.

A história de Jatobá, entretanto, confunde-se com a história de um homem. Miguel Alves da Silva, órfão de pai, veio morar no Povoado Poço Redondo, onde com a mãe, Maria Alves da Conceição, ajudou a criar os irmãos, sempre batalhando e indo atrás de melhoria de vida para sua gente.

Miguel Bento, como é conhecido, resolveu na década de setenta entrar para a política, candidatou-se ao cargo de vereador para a câmara de Colinas e foi eleito. Daí em diante cumpriu quatro mandatos, dos quais, em dois foi o vereador mais bem votado.

Em 1994, nas campanhas para o Governo do Estado o Sr. Miguel Bento e mais alguns moradores de Jatobá pediram ao então Deputado Estadual Dr. José Anselmo Freitas que entrasse com um Projeto na Assembléia Legislativa do Estado elevando o Povoado Jatobá ao status de Município, sendo em seguida realizado plebiscito e ai percebeu-se total vontade dessa gente de criar esta cidade.

O Excelentíssimo Senhor Deputado Estadual, Dr. José Anselmo Freitas, levou o projeto à Assembléia e o mesmo foi aprovado, sendo que em 10 de novembro de 1994, o Excelentíssimo Senhor Governador do Estado do Maranhão José de Ribamar Fiquene, o sancionou, criando assim o Município de Jatobá, através da Lei Estadual nº 6.184/94.

 Procedeu-se em 1996, a eleições municipais, onde o povo escolheu Miguel Alves da Silva como Prefeito. Nas eleições de 2000, o Senhor Miguel Alves da Silva foi reeleito.

Jatobá não tem mais tantas caças, sua fauna foi praticamente dizimada, suas terras já estão saturadas por causa das queimadas de roças, sua vegetação nativa esta 85% destruída, no entanto hoje Jatobá caminha a passos largos rumo ao desenvolvimento, buscando sempre valorizar seus moradores.