Histórico

Os primeiros habitantes do território foram os índigenas que se afastaram na medida em que os civilizados começaram a ocupar o espaço geográfico em que vivia. Vieram de municípios vizinhos os pioneiros do desbravamento, explorando a lavoura como atividade principal, tendo sido dada uma certa ênfase ao plantio da cana de açucar. No tocante ao extrativismo vegetal, há que se ressaltar a extração de madeira, encontrada em grande quantidade.

Talvez pela sua má localização, o povoado não teve um crescimento normal, já que a comunicação com outros centros era bastante problemática, o que dificultou, sobremaneira, o seu progresso.

Mesmo assim, havia grande interesse dos moradores pela emancipação do povoado, pois seria a única maneira de conseguir o desenvolvimento do lugar.

Pela lei 2.175, de 26 de dezembro de 1961, foi elevada à categoria de município. com a denominação de Mirinzal.

A área integrante do atual município foi desmembrada de Guimarães.

Gentílico: mirinzalense

Formação administrativa

Distrito criado com a denominação de Mirinzal, pela lei estadual nº 269, de 31-121948, subordinado ao município de Guimarães.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o distrito permanece no município de Guimarães.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.

Elevado à categoria de município com a denominação de Mirizal, pela lei estaudal nº 2175, de 26-12-1961, desmembrado de Guimarães. Sede no antigo distrito de Mirinzal ex-povoado. Constituído de 2 distritos: Mirinzal e Usina Joaquim Antônio. Criado pela mesma lei do município. Instalado em 30-01-1962.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 2 distritos: Mirinzal e Usina Joaquim Antônio.

Em divisão territorial datada de 18-VIII-1988, o município aparece constituído do distrito sede. Não figurando o distrito de Usina Joaquim Antônio.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

 

 

Fonte:IBGE