Histórico

Muito se tem especulado sobre o marco inicial da civilização no território em que hoje se encontra instalado o município de São Bernardo. Entretanto, nada se pode afirmar categoricamente, em vista da ausência de documentação. Permanece a tradição de que as primeiras investidas no território municipal se processaram através dos padres jesuítas, no século XVIII. Realmente, no ano de 1700, impulsionados pelo sublime ideal lançaram-se à tarefa de catequizar índios, para o que tivessem de se embrenhar por densas florestas e inóspitas paragens, chegando até o local onde é hoje a cidade de São Bernardo. O sítio que escolheram para ponto de partida de suas incursões pelas circunvizinhanças acha-se à margem de um pequeno rio a que deram o nome de Buriti.

Como ser natural, aí plantaram os padres, como marco assinalador de seus propósitos evangelizadores, uma igreja, edificada sob o patrocínio e invocação de São Bernardo, a qual em breve desapareceu, surgindo uma outra, em 1798, de estilo simples, colonial, e com uma torre de relativa altura. Ainda hoje existente, essa igreja que tomou

o nome de Matriz, em virtude de aquele tempo, servir de sede da circunscrição Jesuíta, permanece, em nossos dias, como vivo atestado da ação civilizadora daqueles padres.

Com a construção do templo, lançaram-se os Jesuítas, auxiliados por outros elementos, especialmente negros cativos, à tarefa de devassar a terra descoberta, cujo domínio se estende até a margem do rio Parnaíba, na Boca do Bebedouro de São Pedro, foz do igarapé São José, lagoas Bacuri e Santo Agostinho, onde, ainda em nossos dias, podem ser encontrados eloqüentes vestígios da ação eclesiástica, como uma grande feitoria e fazenda de Criação de gado bovino, atualmente de propriedade do fazendeiro Dácio Almeida.

Para que os Jesuítas fossem bem sucedidos na colonização das novas terra, foram também ajudados, enormemente, pelo indígena, que se supõe serem os índios gamelas do tribo tupinambás que, como bons pescadores, habitavam, de preferência, as margens dos rios e lagoas.

Devassado o território, deu-se início à exploração das terras, por demais férteis, através da intensificação da agricultura e da pecuária que mesmo no dias presentes, continuam a se constituir na principais fontes de riqueza municipal.

Gentílico: bernardense

Formação administrativa

Distrito criado com a denominação de Bernardo do Parnaíba, pela lei provincial nº 121, de 04-10-1841, subordinado ao município de Caxias.

Elevado à categoria de vila com a denominação de São Bernardo do Parnaíba, pela lei provincial nº 550, de 30-07-1859, desmembrado de Caxias. Sede na atual vila de São Bernardo do Parnaíba.

Pela lei municipal nº 30, de 26-09-1910, são criados os distritos de Melancias e Santa Quitéria e anexado ao município de São Bernardo.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911 é constituído de 3 distritos: São Bernardo do Parnaíba, Melancias e Santa Quitéria. Pelo decreto estadual nº 75, de 22-04-1931, é extinto o município de São Bernardo do Parnaíba, sendo seu território anexado ao novo município de Santa Quitéria. Elevado novamente a categoria de município pelo decreto estadual nº 235, de 07-01-1932. Sob o mesmo decreto extingui o município de Santa Quitéria. Pelo decreto estadual nº 539, de 16-12-1933, são extintos os municípios de São Bernardo e Santa Quitéria, sendo seus territórios anexados ao município de Brejo. Em divisão administrativa referente ao ano de1933, São Bernardo figura como distrito no município de Brejo. Elevado novamente à categoria de município com a denominação de São Bernardo, pela lei estadual nº 875, de 15-07-1935, desmembrado de Brejo. Em divisão territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município

aparece constituído de 2 distritos: São Bernardo e Magalhães de Almei