Timon

Luciano Ferreira De Sousa
  • Prefeito: Luciano Ferreira De Sousa

  • Aniversário Prefeito: 22/06

O seu desenvolvimento se deu pela necessidade de intercomunicação entre os povoados do Maranhão e Piauí, principalmente Vila Velha do Poty, Vila da Mocha, (atual Oeiras) e Aldeias Altas (hoje Caxias). Entretanto, só teve início o povoamento em 1852, quando da fundação de Teresina, pois a abertura de uma nova estrada Caxias – Cajazeiros possibilitou a travessia do Paranaíba, em frente à capital do Piauí, no ponto denominado porto das Cajazeiros. Em função deste porto, iniciou-se a povoação sob a invocação de São José da Paranaíba.

        A existência de inúmeros engenhos de cana de açúcar, além da movimentação do porto, foram os pontos básicos do crescimento inicial. Posteriormente, a construção da Estrada de Ferro ligando Caxias-Cajazeiras, em 1895, proporcionou um grande impulso ao lugar. Essa posição se concretizou em 1921, quando Timon ligou-se a São Luís por via férrea.

        O grande Maranhense João Lisboa, ao editar o primeiro jornal da capital, deu-lhe o nome de Timon e em homenagem a iniciativa do ilustre jornalista, foi dado esse topônimo ao antigo município de Flores.

Gentílico: timonense

Formação Administrativa

        Elevado à categoria de vila com a denominação de Flores, pelo decreto nº 50, de 2212-1890, desmembra de São José dos Matões. Sede na antiga povoação de Cajazeiras atual Flores. Constituído do distrito sede. Instalado em 20-05-1891.

        Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, a vila é constituída do distrito sede.

        Elevado à condição de cidade com a denominação de Flores, pela lei estadual nº 1139, de 10-04-1924.

        Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito sede.

        Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII1937.

        Pelo decreto-lei estadual nº 820, de 30-12-1943, o município de Flores passou a denominar-se Timon.

        Pelo decreto-lei estadual nº 269, de 31-12-1948, é criado o distrito de Buriti Cortado e anexado ao município de Timon.

        No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município já denominado Timon é constituído do distrito sede.

        Pelo decreto-lei estadual nº 269, de 31-12-1948, é criado o distrito de Buriti cortado e anexado ao município de Timon.

        Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Timon e Buriti Cortado.

        Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Alteração toponímica municipal

Flores para Timon alterado, pelo decreto-lei estadual nº 820, de 30-12-1943.

 

Fonte:IBGE

MUNICÍPIO DE TIMON

LEI n° 269 de 31 de dezembro de 1948. Cria o Município de TIMON e dá outras providências.

 

LIMITES MUNICIPAIS

1 – Com o Município de CAXIAS:

Começa na foz do riacho Itaguarará à margem esquerda do rio Parnaíba; segue por um alinhamento reto ao lugar do marco a Noroeste e a um e meio quilômetro da capela do povoado Caeira; daí por um alinhamento reto em direção Sul até o lugar do marco à margem esquerda do riacho Itaguarará; prossegue pelo talvegue desse riacho à montante até sua cabeceira mais alta; daí continua por um alinhamento reto ao lugar do marco a Oeste e a dois quilômetros do centro de Buriti Cortado, que inclui para Timon, trijunção dos limites dos Municípios de Parnarama, Timon e Caxias.

2 – Com o Estado do PIAUÍ:

Começa na foz do riacho Itaguarará até a do riacho Garapa; acompanha pelo Parnaíba o limite dos Estados do Maranhão e Piauí.

3 – Com o Município de PARNARAMA:

Começa no lugar do marco dois quilômetros antes do centro do lugar Buriti Cortado na interseção dos limites comuns de Caxias, Timon e Parnarama; segue daí por um alinhamento reto ao lugar Bonito que inclui para Timon e daí por outro alinhamento reto até a foz do riacho Garapa à margem esquerda do Parnaíba.

DIVISAS INTERDISTRITAIS:

1 – Entre os distritos de TIMON e BURITI CORTADO:

Começa na interseção do divisor de águas Parnaíba-Itapecuru com o limite do Município de Caxias; segue pelo referido divisor de águas até frontear a cabeceira do riacho Gameleira afluente do Parnaíba; continua por um alinhamento reto até alcançar a margem esquerda do afluente da margem esquerda do riacho Garapa; segue pelo curso deste afluente até a sua barra à margem esquerda do riacho Garapa; continua pelo talvegue deste riacho à jusante até a sua foz à margem esquerda do Parnaíba.
 

Este texto não substitui o original publicado em imprensa oficial.


FAMEM © 2018 - Todos os direitos reservados