Vitória do Mearim

Dídima Maria Corrêa Coêlho
  • Prefeita: Dídima Maria Corrêa Coêlho

  • Aniversário Prefeita: 20/11

        O atual município de Vitória de Mearim já teve diversos nomes, a saber: Baixo Mearim, Vitória do Baixo Mearim, Sítio velho e Curral da Igreja, sendo este ao que se sabe, o mais antigo, originado no fato de, por volta de 1723, terem sido doados meia légua de terras e um curral de gado bovino, por parte do fidalgo da Casa Real Portuguesa, padre José Gama d`Eça, que tentou construir, sob a invocação de Nossa Senhora de Nazaré, uma igreja à margem direita do rio Mearim. Ainda em fase de construção, quando apenas estavam feitas as suas bases, não foi possível prosseguir, pois, chegado o inverno, verificou-se a impropriedade do terreno, campo baixo e alagadiço. Este lugar, que até hoje conserva o nome Curral da Igreja, pertence, agora, ao município de Acari.

          Em 1728, o mesmo padre resolveu mudar o povoado para local mais sólido e consistente, e, partindo de Curral da Igreja, rio acima, veio ter a um terreno, hoje denominado Sítio, o qual com o anterior, pertencem atualmente ao município de Acari.

          Mais uma vez, diante da impropriedade do terreno, marginal ao rio Mearim, muito sedimentoso, e porque na ocasião das grandes enchentes, as águas do rio inundavam ruas inteiras, arrastando casas, causando devastações e enormes prejuízos, resolveu o governo transferir a povoação para outro terreno mais elevado e firme.

          Foi em 1750 que se deu a última mudança. Desta vez, à procura de terreno alto e isento de quaisquer das inconveniências encontradas a cabeceira das matas, onde tudo indicava ser terreno firme e fora do alcance de inundações. Ali se instalaram, edificando suas casas e a atual igreja de Nossa Senhora de Nazaré, passando a denominar-se o lugar Mearim, talvez em homenagem ao rio que lhe regava as terras e através do qual faziam seus transportes.

Gentílico: vitoriense

Formação Administrativa

Elevado à categoria de vila e distrito com a denominação de Mearim, pela resolução de 19-04-1833, confirmado pela lei provincial nº 7, de 29-04-1835. Sede na atual vila de Mearim. Não temos a data instalação.

          Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, a vila é constituído de 3 distritos: Vitória do Mearim, Lapela e São Benedito.

          Nos quadros de apuração do Recenseamento Geral de 1-IX-1920, o município aparece constituído do distrito sede. Não figurando os distritos de Lapela e São Benedito.

          Elevado à condição de cidade com a denominação de Mearim, pela lei municipal nº 1129, de 15-03-1924.

          Em divisão administrativa referente ao ano de 1933 o município se denomina Mearim, e é constituído do distrito sede.

          Pela lei estadual nº 159, de 06-12-1938, o município de Vitória do Mearim passou a denominar-se Baixo Mearim.

          No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município já denominado Baixo do Mearim é constituído do distrito sede.

          Pela lei estadual nº 271, de 31-12-1948, o município de Baixo Mearim passou a denominar-se Vitória do Mearim.

Pela lei estadual nº 269, de 31-12-1948, são criados os distritos de Mata Boi, Jejuí e Lapela anexados ao município de Vitória do Mearim ex-Baixo Mearim.

          Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município já denominado Vitória do Mearim é constituído de 4 distritos: Vitória do Mearim, Jejuí, Lapela e Mata Boi.

          Pela lei estadual nº 770, de 02-10-1952, desmembra do município de Vitória do Mearim o distrito de Jejuí. Elevado à categoria de município com a denominação de Lago de Pedra.          Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 3 distritos: Vitória do Mearim, Lapela e Mata Boi. Pela lei estadual nº 1730, de 26-01-1959, é extinto o distrito de Mata Boi, sendo seu território passado a construir o novo município de Pio XII.          Em divisão territorial datada de1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos:

Vitória do Mearim e Lapela.  Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VI-1995.          Em divisão territorial datada de 15-VII-1997, o município é constituído do distrito sede.          Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Alterações toponímicas municipais

Mearim para Vitória do Mearim alterado em, 1933.Vitória do Mearim para Baixo Mearim alterado, pela lei estadual nº 159, de 06-12-1938.Baixo Mearim para Vitória do Mearim alterado, pela lei estadual nº 271, de 31-12-1948.

 

Fonte:IBGE

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DO MEARIM

LEI nº 269 de 31 de dezembro de 1948. Cria o Município de VITÓRIA DO MEARIM e dá outras providências.

LIMITES MUNICIPAIS:

1 – Com o Município de PINDARÉ-MIRIM:

Começa no lugar do marco, na interseção do paralelo da foz do rio Flores, no rio Mearim, com o divisor de águas Pindaré-Grajaú; segue por esse divisor até o lugar do marco, à margem oriental do lago Grajaú.

2 – Com o Município de MONÇÃO:

Começa no lugar do marco, a margem oriental do lago Grajaú, no divisor de águas Pindaré-Grajaú; segue por esse divisor até o lugar do marco; defronte a cabeceira mais alta do Igarapé Aracus.

3 – Com o município de CAJARI:

Começa no lugar do marco no divisor de águas Pindaré-Grajaú, defronte à cabeceira mais alto do Igarapé Aracus; segue por esse divisor, passando pelo campo das Jaboticabas e o centro da ilha da Pindoba, e daí por um alinhamento reto, à cabeceira do Igarapé João Lopes; segue pelo veio desse Igarapé, à jusante, até sua foz à margem direita do rio Pindaré.

4 – Com o Município de VIANA:

Começa na foz do Igarapé João Lopes, à margem direita do rio Pindaré; segue pelo talvegue desse rio, à jusante, até o lugar do marco, à sua margem direita, ponto terminal da geodésica que parte da margem esquerda do rio Mearim, defronte à localidade Carmo com o azimute de 20° noroeste.

5 – Com o Município de ARARI:

Começa no lugar do marco, à margem direita do rio Pindaré, onde entronca o alinhamento reto que vem defronte da localidade Carmo, segue por esse alinhamento com o azimute de 20° suleste, até o lugar do marco, à margem esquerda do rio Mearim, defronte à localidade Carmo; prossegue pelo veio desse rio à montante, até a enseada Macaquiçau; segue por um alinhamento reto à enseada Santa Inês, no mesmo rio, Mearim, e segue novamente pelo talvegue deste rio, à montante, até o lugar Seco das Almas.

6 - Com o Município de BACABAL:

Começa à margem esquerda do rio Mearim, no lugar denominado Seco das Almas; segue por uma reta ao lugar Ipixunaçu; daí por outro alinhamento ao lugar do marco à margem direita do rio Grajaú, na localidade denominada Pedra do Rumo; continua pelo talvegue do rio Grajaú, à montante, até o lugar Furo, à sua margem direita; daí por um alinhamento reto ao centro do lago da Cabaça; continua pelo alinhamento determinado pelo centro do lago da Cabaça e o lugar Vila Velha, no rio Mearim, até atingir o lugar do marco, na interseção com o divisor de águas Mearim-Grajaú.

7 – Com o município de IPIXUNA:

Começa no lugar do marco, no ponto de interseção do alinhamento reto, determinado pelo centro do lago da Cabaça e o lugar denominado Vilha Velha, no rio Mearim, com o divisor de águas Mearim-Grajaú; segue para este divisor para o sul, até o lugar do marco, na sua interseção pela geodésica leste-oeste, que vem da foz do riacho Insono.

8 – Com o Município de PEDREIRAS:

Começa no lugar do marco, na interseção do divisor de águas Mearim-Grajaú com a geodésica leste-oeste que vem da foz do riacho Insono, no rio Mearim; segue por esse divisor para o sul, até o lugar do marco, onde cruza o paralelo da foz do rio Flores, no rio Mearim.

9 – Com o Município de GRAJAÚ:

Começa no lugar do marco, na interseção do divisor Mearim-Grajaú com o paralelo que passa pela foz do rio Flores, no rio Mearim; segue por esse paralelo para oeste até o lugar de sua interseção com o divisor de águas Pindaré-Grajaú.

DIVISAS INTERDISTRITAIS:

1 – Entre os distritos de VITÓRIA DO MEARIM e LAPELA:

Começa na foz do rio Grajaú, à margem esquerda do rio Mearim; segue pelo talvegue do rio Grajaú, à montante, até a barra do sangradouro do lago da Fazenda Nova, à sua margem direita.

2 – Entre os distritos de VITÓRIA DO MEARIM e MATA DO BOI:

Começa na foz do sangradouro do lago Fazenda Nova, à margem direita do rio Grajaú; segue por um alinhamento reto, com o azimute de 20° noroeste, até o lugar do marco, no divisor de águas Pindaré-Grajaú.

3 – Entre os distritos de LAPELA e MATA DO BOI:

Começa na foz do sangradouro do lago Fazenda Nova, à margem direita do rio Grajaú; segue pelo referido sangradouro acima até a extremidade jusante do lago Fazenda Nova e pelo veio deste lago até sua ponta montante, e daí continua em rumo sul a alcançar a linha telegráfica Pindaré-Mirim-Bacabal; segue por esta linha telegráfica em direção suleste, até o limite com o Município de Bacabal.

4 – Entre os distritos de JEJUÍ e MATA DO BOI:

Começa no lugar do marco, no lugar denominado Furo, à margem direita do rio Grajaú; segue pelo talvegue deste rio, à montante, até a foz do rio Marupi, à sua margem esquerda; continua pelo curso do rio Marupi, à montante, até sua cabeceira mais alta e daí prossegue no mesmo rumo até alcançar o divisor de águas Pindaré-Grajaú.

 

Este texto não substitui o original publicado em imprensa oficial.


FAMEM © 2018 - Todos os direitos reservados