Monção

Klautenis Deline Oliveira Nussrala
  • Prefeita: Klautenis Deline Oliveira Nussrala

  • Aniversário Prefeita: 21/07

Em terras que ficam acima de Camacaoca, num lugar chamado Areias, índios guajajaras foram-se civilizando e atraindo outros habitantes. O lugarejo se desenvolveu e, em 1757, o Governador da Capitania, Gonçalo Pereira Lobato e Souza e outras autoridades mandaram erigir o pelourinho, símbolo da autoridade e da justiça d’el-rei, arvoraram a bandeira com armas reais e deram três vivas ao rei, acompanhados de descargas da tropa de infantaria. Estava criada a Vila, que recebeu o nome de Monção e, no mesmo dia, criou-se a Freguesia, sob a invocação de São Francisco Xavier.

Em conseqüência de ocorrências pouco agradáveis, a Vila perdeu sua qualidade, para readiquiri-la em 9 de junho de 1859, sendo instalada em 26 de novembro do mesmo ano, não mais em Areias e sim a 29 quilômetros do antigo local, na atual Vila Velha.

Os naturais do Município são chamados monçonenses.

Gentílico: monçonense

Formação Administrativa

        Distrito criado com a denominação de Monção em 16-07-1757 ou 1767.

        Elevado à categoria de vila com a denominação da Monção, pela lei provincial nº 519, de 09-06-1859, desmembrado de Viana. Sede na antiga vila de Monção. Constituído do distrito sede. Não temos datada de instalação.

        Pela lei municipal nº 2, de 14-09-1892, são criados os distritos de Engenho de São Pedro de Alcântara ex-povoado, Caru e Boa Vista e anexados ao município.

        Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, a vila é constituída de 4 distrtios: Monção, Boa Vista, Caru e São Pedro de Alcantara ex-Engenho de São Pedro de Alcântara.

        Pelo decreto estadual nº 267, de 19-04-1932, é extinto o município de Monção, sendo seu território anexado ao município de São Pedro.

        Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o distrito de Monção figura no município de São Pedro.

        Elevado novamente à categoria de município com a denominação de Monção, pelo decreto nº 919, de 30-09-1935, desmembrado de São Pedro. Sede no antigo distrito de Monção. Constituído do distrito sede. Em divisão territorial datada de 01-07-1960, o município é  constituído do distrito sede.

          Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

 

Fonte:IBGE

MUNICÍPIO DE MONÇÃO

Lei nº 269 de 31 de Dezembro de 1948. Cria o Município de MONÇÃO e dá outras providências.

 

LIMITES MUNICIPAIS

1 – Com o Município de CARUTAPERA:

Começa no entroncamento do espigão divisor da margem direita do rio Cajuapara, no divisor de águas Gurupi-Pindaré; segue por esse divisor de águas, conhecido por Serra do Piracambu, e pelo divisor de águas Gurupi-Turiaçú, até o lugar do marco, onde entronca o alinhamento reto leste-oeste que parte da cabeceira mais alta do rio Turiaçú.

2 – Com o Município de TURIAÇÚ:

Começa no lugar do marco, no divisor de águas Gurupi-Turiaçú, onde entronca a reta leste-oeste que vem da cabeceira mais alta do rio Turiaçú; segue por esse alinhamento, em direção leste, até alcançar a nascente mais alta do rio Turiaçú; segue pelo talvegue deste rio à jusante, até a travessia da linha do Telegráfo Nacional, chamada Estrada do Pará, e pouco a montante do ponto telefônico Alto Turi.

3 – Com o Município de PINHEIRO:

Começa à margem direita do rio Turiaçú, na travessia da linha do Telegráfo Nacional, chamada do Pará, pouco à montante do posto telefônico de Alto Turi, continua pela referida linha telegráfica que segue pela Picada do Nogueira, até a localidade Alto Alegre.

4 – Com o Município de PENALVA:

Começa no lugar denominado Alto Alegre, na linha telegráfica, chamada Estrada do Pará; daí segue por uma reta à embocadura do Igarapé Escoadouro do Lago do Castelo no Lago Jacareí; segue pelo meio deste lago e pelo Igarapé Serraria à jusante, até a foz deste Igarapé, à margem esquerda do rio Pindaré.

5 - Com o Município de CAJARI:

Começa na foz do Igarapé Serraria, à margem esquerda do rio Pindaré; segue pelo talvegue deste rio à montante, até a foz do Igarapé Aracus, a sua margem direita; segue pelo curso deste igarapé à montante, até sua cabeceira e no mesmo rumo até o lugar do marco, no divisor de águas Pindaré-Grajaú.

6 – Com o Município de VITÓRIA DO MEARIM:

Começa no lugar do marco, no divisor de águas Pindaré-Grajaú, defronte da cabeceira do Igarapé Aracus; segue por esse divisor até defrontar à margem oriental do Lago Grajaú.

7 – Com o Município de PINDARÉ MIRIM:

Começa no divisor de águas Pindaré-Grajaú, fronteando a margem oriental do Lago Grajaú; segue pelo meio deste lago até seu escoadouro e por este à jusante até alcançar a linha sul-norte pela qual segue até o lugar Tocos, à margem direita do rio Pindaré; segue pelo talvegue deste rio à montante, até a foz do rio Porangueté, à sua margem esquerda.

8 – Com o Município de IMPERATRIZ:

Começa na foz do rio Porangueté, à margem esquerda do rio Pindaré; segue pelo curso do rio Porangueté, à montante, até sua cabeceira mais alta; daí prossegue no mesmo rumo até alcançar o divisor de águas Gurupi-Pindaré; segue por este divisor para nordeste até o lugar onde entronca o espigão divisor da margem direita do rio Cajuapara.

DIVISAS INTERDISTRITAIS

O Município constitui um só distrito.
 

 

Este texto não substitui o original publicado em imprensa oficial.


FAMEM © 2018 - Todos os direitos reservados