Notícia da Famem

294 Visualizações

Publicada em 05/05/2014 16:06:21

Presidente da FAMEM destaca importância da Marcha dos Prefeitos e Prefeitas


O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), prefeito Gil Cutrim, esteve na sede da Confederação Nacional de Municípios (CNM) na manhã desta segunda-feira, dia 5 de maio, para buscar informações acerca dos assuntos a serem debatidos na XVII Marcha a Brasília. O evento ocorre entre os dias 12 e 15 de maio, em Brasília e as inscrições podem ser feitas no www.cnm.org.br e no www.FAMEM.org.br

Ele frisou a importância de os prefeitos se mobilizarem e falou sobre as expectativas em relação ao evento. “Os gestores devem vir para trazerem as angústias que enfrentam nos Municípios, que é o lugar onde realmente as coisas acontecem. O cidadão vê no prefeito a figura de quem resolve as demandas. Então, temos que nos mobilizar”, falou.

[caption id=“attachment_5242” align=“aligncenter” width=“620”]DSC_0228 Gil Cutrim: “O número de prefeitos mobilizados ainda deve aumentar. Fizemos uma reunião para discutir a Marcha e elaborar uma pauta de reivindicações a serem discutidas com a bancada federal do Estado”.[/caption]

Gil ressaltou que, no dia 24 de abril, a Federação realizou um evento preparatório para a Marcha. Ele disse que cerca de 70 prefeitos maranhenses já efetuaram a inscrição na mobilização. “O número de prefeitos mobilizados ainda deve aumentar. Fizemos uma reunião para discutir a Marcha e elaborar uma pauta de reivindicações a serem discutidas com a bancada federal do Estado”, disse.

Nesta sexta-feira, dia 9 de maio, a diretoria da FAMEM vai realizar uma entrevista coletiva na sede da entidade para divulgar o atual cenário e a importância da Marcha à imprensa regional.

Dificuldades

À Agência CNM, Gil disse que o principal problema enfrentado pelos Municípios do Estado é o subfinanciamento dos programas federais. “Não tem como o governo mandar, por exemplo, R$ 10 mil para arcar com o Programa Saúde da Família e acreditar que nós gastaremos isso, exigindo ainda do prefeito 40 horas semanais para o médico. Que médico aceita ganhar R$ 4 mil para trabalhar esse período. Com isso, aumentamos os nossos gastos e temos que cortar de algum outro lugar. Eu coretei o meu próprio salário”, relatou.

Gil também ressaltou que a redução do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e o constante aumento de obrigações e despesas, como os pisos salariais, levaram à situação enfrentada atualmente pelas prefeituras. “A ideia é tentar mostrar aos parlamentares que não podem ser aprovados projetos sem que tenha a fonte de recursos. Se não, é colocar a guilhotina no nosso pescoço”, disse.

O presidente da FAMEM, que é também prefeito de São José do Ribamar, disse que o Município, apesar de ser o terceiro maior do Estado, com mais de 200 mil habitantes, também conta quase que exlusivamente com o FPM. “Apenas 1,5% do que temos é de arrecadação própria. Fizemos um levantamento referente ao período de junho a dezembro de 2012 e vimos que o Município deixou de arrecadar R$ 9 milhões. Em 2013 esse montante foi superado e tenho certeza de que em 2014 será novamente”, lamentou.

“A população ainda não entende. Acha que todo prefeito é ladrão. Eles olham o Portal da Transparência, vêem que recebemos tantos milhões e não compreendem que esse valor é totalmente comprometido o custeio. Quase não sobra nada para investimentos”.

Marcha a Brasília

Nesta edição, a Marcha ocorre em um novo espaço, no Centro Internacional de Convenções do Brasil. As inscrições podem ser efetuadas por meio do hotsite ou em contato telefônico com a CNM. Até o momento, mais de 2,5 mil gestores se inscreveram previamente.

294 Visualizações

Publicada em 05/05/2014 16:06:21

FAMEM © 2018 - Todos os direitos reservados